notíciassbb


REDBIOÉTICA: 7ª Edição do Congresso foi um sucesso!

 

 

 

Dirceu Greco, ao microfone, durante os trabalhos do Congresso

 

"Sem dúvida esta edição do Congresso Internacional da REDBIOÉTICA foi a maior e a mais densa em termos de programação científica." Com esta frase, o prof. Volnei Garrafa  definiu o comprovado sucesso do VII Congresso Internacional da REDBIOÉTICA-UNESCO, realizado entre 8 e 10 de novembro de 2018 na Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Brasília (UnB).

 

Volnei Garrafa e a reitora da UnB, Márcia Abrahão,

na mess da cerimônia de abertura do evento

 


Um dos cofundadores da Rede Latino-Americana e do Caribe de Bioética, e seu primeiro presidente durante 7 anos (entre 2003 e 2010), Garrafa afirmou que a responsabilidade da Rede neste momento é extremamente importante, pois ela também exerce um papel político e militante fundamental. "No momento que a América Latina passa por desvios tremendamente preocupantes na Argentina, no Brasil, no Peru, no Equador, é imprescindível que a Academia de estudiosos que pensam em defesa da democracia, da cidadania e da inclusão social estejam juntos nos princípios de garantia de direitos humanos universais, da cidadania e da verdadeira democracia participativa", alerta o professor. E conclui: "No meu entender, a Bioética é um instrumento, uma ferramenta da teoria e do método científico capacitada a contribuir no aperfeiçoamento desses fundamentais ideais democráticos."

 

 

Da esq. p/a dir.: Nilceu Oliveira, Susana Vidal, Dirceu Greco e Márcio Fábri

 

 

Para Dirceu Greco, presidente da Sociedade Brasileira de Bioética (SBB) e presença ativa no evento juntamente com outros membros da diretoria executiva da entidade, “a participação de congressistas internacionais, o número de mesas-redondas, a apresentação de trabalhos livres, entre pôsteres e exposições orais, ratificam a importância de um congresso do porte deste da REDBIOÉTICA, principalmente em um momento tão preocupante como o que estamos vivendo, quando é imperioso ecoar um tom crítico vigoroso e de grande alcance pela garantia e manutenção da democracia e dos direitos humanos. E este foi o propósito do Congresso ao escolher o tema central para os debates: Vulneração dos Direitos Humanos aos 70 anos da sua Declaração Universal.”

 

O Congresso

 

O VII Congresso Internacional da REDBIOÉTICA-UNESCO, promovido pela Rede Latino-Americana e do Caribe de Bioética e copatrocinado pelo “Programa para América Latina e Caribe de Bioética da Unesco” em diferentes países da América Latina e Caribe a cada dois anos, foi organizado pela Cátedra Unesco/Programa de Pós-Graduação em Bioética da UnB em parceria com a Sociedade Brasileira de Bioética (SBB), e apoio decisivo da Seção do Distrito Federal da SBB.

 

O Congresso contou com três conferências, dez mesas redondas e cerca de 200 trabalhos livres, entre comunicações orais e pôsteres. As conferências magistrais foram proferidas por eminentes pesquisadores latino-americanos, entre eles: Saúl Franco (Universidade Nacional da Colômbia), Rita Segato (Universidade de Brasília) e Maria Luisa Pfeiffer (Universidade de Buenos Aires). Já as Mesas Redondas, que receberam temáticas e aportes riquíssimos, contaram cada uma delas, com a participação de quatro estudiosos de 18 países da região, do México (ao norte) à Argentina (ao sul), passando pela América Central e Caribe. Os dois Congressos anteriores haviam sido realizados, respectivamente, em Lima/Peru (2014) e San José/Costa Rica (2016), sendo que o próximo já está agendado para 2020, em Bogotá/Colômbia.

 

O Congresso de Brasília apresentou como tema central a Vulneração dos Direitos Humanos aos 70 anos da Declaração Universal promulgada pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 1948. Com esse referencial, a agenda científica do evento se identificou com assuntos palpitantes e atuais como a colonialidade do poder e do saber, a luta pela paz, o imperialismo moral exercido pelas nações ricas em detrimento dos países periféricos no campo biotecnocientífico, os usos e abusos nas pesquisas clínicas pelo mundo, entre outros. Como novidade, o congresso abriu um espaço novo na sua estrutura para duas instigantes Mesas de Diálogos que abordaram os temas “Gênero, etnia e raça no debate sobre bioética e direitos humanos na América Latina” e “Bioética e Arte – a arte como instrumento de denúncia e intervenção”.

 

Um pouco de história

 

A REDBIOÉTICA - Rede Latino Americana e do Caribe de Bioética da Unesco - foi gestada por ocasião do Sexto Congresso Mundial de Bioética realizado em Brasília em outubro de 2002, sob os auspícios da Sociedade Brasileira de Bioética e da International Association of Bioethics (IAB), e fundada oficialmente em maio de 2003, em reunião paralela ao Projeto Genoma Humano promovida pela Unesco em Cancun, México. Desde então, sempre com o apoio da Unesco, a REDBIOÉTICA vem se constituindo como uma voz crítica regional cada vez mais vigorosa com relação à bioética e aos direitos humanos. Esta sétima edição do Congresso Internacional, realizado uma vez mais em parceria com a SBB, portanto, só vem reforçar uma sólida relação histórica gestada há 15 anos e pautada pela persistente luta em defesa da cidadania, do respeito aos direitos humanos universais e à democracia.


 

Em tempo

     

Dirceu Greco, presidente da Sociedade Brasileira de Bioética, é Professor Emérito na Universidade Federal de Minas Gerais e representa atualmente o Brasil no Comitê Internacional de Bioética da Unesco. Volnei Garrafa, diretor do Centro Internacional de Bioética e Humanidades da Universidade de Brasília (UnB), é coordenador da Cátedra Unesco de Bioética da UnB e do Programa de Pós-Graduação em Bioética da UnB. O prof. Garrafa antecedeu Greco no cargo de representante brasileiro no Comitê de Bioética da Unesco.