notíciassbb


Reflexões éticas caracterizam muitos desafios a serem vencidos, acentuados nas palestras do V Congresso Brasileiro de Bioética Clínica - SBB

 

Ética e Bioética: relato de experiências portuguesa, espanhola e europeia, e a introdução de carga horária significativa de Bioética nos cursos de Medicina e Residência Médica marcaram algumas das palestras e reflexões do V Congresso Brasileiro de Bioética Clínica, evento que integrou a décima terceira edição do Congresso Brasileiro de Bioética da Sociedade Brasileira de Bioética, realizado entre os dias 15 e 18 de outubro de 2019.

 

O evento, como um todo, realizado na Pontifícia Universidade Católica de Goiânia (GO), seguiu um roteiro frenético de conferências e mesas redondas com a participação de convidados especiais que abordaram temas de grande impacto a partir do mote central do XIII Congresso da Sociedade Brasileira de Bioética (SBB): Democracia, Saúde e Direitos Humanos.

 

Para compor a mesa de início dos trabalhos, o reitor da Pontifícia Universidade Católica de Goiânia, Wolmir Therezio Amado, que gentilmente cedeu espaço para tornar este Congresso viável, convidou Dirceu Greco (presidente da SBB); Flávio Paranhos (presidente do XIII Congresso Brasileiro de Bioética), José Hiran da Silva Gallo (representando o presidente do CFM), Mauro Luiz de Britto Ribeiro (CFM), e Rui Nunes (Universidade do Porto).

 

Ao dar as boas-vindas aos presentes, Dirceu Greco enfatizou a importância da realização de eventos desse porte na atual conjuntura, caótica, em que o país se encontra, por estimular a reflexão sobre tantos temas que se entrelaçam com a ética e a bioética como educação, direitos humanos e saúde. “Nestes dois anos da minha gestão, vivemos situações extremas, de notícias ruins a todo instante, caracterizando uma época de profundo obscurantismo”, lembrou o presidente da SBB.

 

José Hiran reafirmou a importância de contar com a SBB como parceira do CFM, para estimular continuamente as discussões sobre ética e bioética na formação e na atuação médica, desejando que o congresso contribua fortemente para o crescimento do ser humano.

 

Em sua palestra, Rui Nunes ressaltou a importância do referendo à despenalização do aborto realizado em 2007, em Portugal, que representou uma transformação importante na capacidade decisória plena da mulher quanto à interrupção da gravidez: "Nós precisamos de dois referendos e dez anos para que o aborto fosse despenalizado...", enfatizou indignado. E acrescentou; "As instituições credenciadas, em Portugal, para acolher a mulher que opta pela interrupção da gravidez, respeitam a autonomia de sua decisão."

Mesas redondas

 

Ao avaliar o ensino da Bioética Clínica na Espanha e compará-lo com o Brasil, José Humberto Chaves, coordenadorda mesa redonda sobre os Desafios da Formação e Educação Continuada em Bioética Clínica, destacou a baixa porcentagem no número de disciplinas direcionadas a ela nos cursos de Medicina, cujo aprendizado seria "fundamental na resolução de problemas e para estimular a sensibilidade ética individual".   

Reinaldo Ayer de Oliveira ministrou palestra sobre as "Necessidades e dificuldades do ensino da Bioética Clínica", comentando a falta de interesse das instituições e dos professores na inserção da disciplina, apesar da enorme ajuda dos Comitês de Bioética dos hospitais na divulgação da importância da inclusão nos cursos de Medicina e de Saúde. Finalizou questionando:"como um curso de Medicina de no mínimo 7.200 horas/aula, reserve somente 30 horas/aula/aluno para uma disciplina da relevância da Bioética Clínica?"  

Em seguida, no tema "Ensino de Bioética Clínica na Graduação e na Residência em Medicina", Elcio Luiz Bonamigo frisou que a inserção da disciplina tem o principal objetivo de formar profissionais preparados para "atender com dignidade pacientes que buscam uma atenção diferenciada e humanizada na saúde".

Para José Antonio Cordeiro, palestrante sobre "Educação Continuada em Bioética Clínica para equipes da Estratégia Saúde da Família - ESF: Uma Proposta, a Bioética Clínica  é mais abrangente do que a Ética Clínica: "acredito existir uma carência do processo educacional que deveria ser capaz de envolver a prática da bioética no dia-a-dia do profissional de saúde", ressaltou.