notíciassbb


Participe da campanha #EuNãoSouDespesa do Conselho Nacional de Saúde contra discriminação às pessoas que vivem com HIV/Aids

 

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) lançou uma campanha contra discriminação às pessoas que vivem com HIV/Aids, em apoio aos representantes do Movimento de Luta Contra a Aids no Brasil, que repudiaram as declarações do Governo Federal que associam o tratamento a despesas para o país.

 

A campanha #EuNãoSouDespesa reúne depoimentos de ativistas, estudantes, aposentados(as), jornalistas, assistentes sociais, advogados(as), médicos(as), atores e diversos outros cidadãos e cidadãs que defendem o Sistema Único de Saúde (SUS), contra o estigma, o preconceito e a discriminação.

 

Para fazer parte da campanha, acesse a playlist com todos os vídeos no Youtube. Publique seu apoio nas suas redes sociais com a hashtag #EuNãoSouDespesa, independente de sua sorologia. Você também pode enviar seu vídeo para comunicacns@gmail.com identificando-se ou como pessoa física (nome e sobrenome), ou citando a entidade ou o movimento social que representa. Informe a maneira como deseja ser chamado: “estudante, pedagogo(a), artista, empresário(a), enfermeiro(a), etc”.

 

É fundamental enfatizar que o SUS não pode e não deve ser um espaço de discriminação. Todos os indivíduos têm direito ao atendimento médico gratuito - que inclui exames, tratamento e acesso a medicamentos - sem qualquer tipo de preconceito ou hostilidade por qualquer característica que seja do indivíduo. Direito e Respeito são compromissos indissociáveis.

 

Selecionamos alguns depoimentos, que consideramos relevantes entre tantos outros já postados e divulgados:

 

- “Ninguém é despesa. Nós pagamos impostos e esse dinheiro é revertido para a Saúde. Há várias décadas lutamos contra os estigmas, preconceitos e discriminação e não aceitamos mais rótulos”. Heliana Moura, assistente social da Rede Mulheres Vivendo com HIV/Aids.

 

- “Somos todos pagantes de impostos caros. Somos contribuintes e não somos tratados de maneira digna pelo governo. Precisamos do SUS a todo vapor, porque pessoas são salvas por esse sistema. Estamos falando de vidas. Vamos repensar o que é despesa”. Alexandre Telles, defensor do SUS.

 

- “Sou brasileiro como todos os outros e nada que recebo do Estado recebo de graça. Tudo é pago pelos impostos que recolho todos os dias em qualquer coisa que compro neste país”. Carlos Alberto Duarte, representante do Grupo de Apoio à Prevenção da Aids (Gapa/RS).

 

- “É meu direito e seu dever me respeitar”. Elsom Santana, representante da Rede Jovem Rio.

 

- “Nosso tratamento de HIV/Aids no Brasil é referência mundial e não pode acabar. Muitas pessoas como eu, que vivem com HIV/Aids, têm uma vida normal e não geram despesas. Eu trabalho, pago meus impostos, gero trabalho e ajudo o outro. Vamos dizer não ao preconceito e à discriminação”. Lysmaria Pinheiro, representante da Associação Brasileira de Redução de Danos (Aborda) e da Articulação Nacional de Saúde e Direitos Humanos (ANSDH).

 

- “Eu não sou despesa. Eu sou receita. Sou receita humana, social, física, política, econômica. Eu produzo, eu faço a diferença. Esse planeta é meu, essa sociedade é minha, como é sua e como é de todos”. Marco Aurélio Tavares Bastos, jornalista e conselheiro gestor do Centro de Treinamento e Referência DST/Aids – SP.

 

 

Fontes: 

 

CNS

SUSCONECTA