notíciassbb


A neurociência perde o médico Iván Izquierdo, especialista em fisiologia de memória, coordenador do Centro de Memória da PUC-RS

 

 

Faleceu nesta terça-feira, 9 de fevereiro, aos 83 anos, Iván Izquierdo, vítima de uma pneumonia, semanas depois de ter se recuperado da COVID-19.

Médico e neurocientista, coordenador do Centro de Memória da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), ele era um dos maiores especialistas em fisiologia de memória em todo o mundo, com mais de 20 mil citações nas bases Scopus e Web of Science. Publicou o último de seus mais de 600 artigos científicos na edição de janeiro deste ano da revista Experimental Gerontology.  

Argentino – naturalizou-se brasileiro em 1981– , Izquierdo concluiu o Doutorado em Farmacologia na Universidade de Buenos Aires, em 1962, pós-doutorou-se na Universidade da Califórnia em Los Angeles, em 1964, e foi professor na Universidade Nacional de Córdoba, até imigrar para o Brasil em 1975. Desembarcou no Departamento de Fisiologia e Biofísica da Escola Paulista de Medicina (EPM), atualmente Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), onde deu aulas na cadeira de Neurofisiologia.

Ao longo de toda a sua vida, o neurocientista recebeu inúmeras homenagens de grande repercussão e mais de 140 prêmios e títulos, entre eles, o Prêmio Almirante Álvaro Alberto, CNPq (2011), Prêmio em Ciência Geral 2007, Fundação Conrado Wessel, Comenda da Ordem de Rio Branco do Ministério das Relações Exteriores. Guggenheim Award, The John Simon Guggenheim Foundation (2008), TWAS Award in Basic Medical Science e Academy of Sciences of the Developing World (TWAS) (1995). Foi membro correspondente da Academia Brasileira de Ciências (ABC), Foreign Associate da National Academy of Sciences, dos Estados Unidos, e membro da Academy of Sciences of the Developing World (TWAS).


Fonte: Agência Fapesp
(foto: Liane Neves/Pesquisa FAPESP)