notíciassbb


Como a ciência evoluiu no combate a Aids? Acompanhe entrevista de Dirceu Greco sobre o tema no Programa Opinião Minas ...

O presidente da Sociedade Brasileira de Bioética, Dirceu Greco, e Érica Vieira

 

 

Já são 40 anos de pesquisas sobre a AIDS. Quando o vírus HIV surgiu, na década de 1980, a mortalidade era alta, principalmente entre os jovens. Hoje, quatro décadas depois, os avanços são grandes e o que era sentença de morte em um passado recente, agora é uma doença com a qual é possível conviver, tratar e ter qualidade de vida.

O mês de junho marcou as quatro décadas do descobrimento do vírus HIV e o Programa Opinião Minas* propôs uma retrospectiva sobre o tema, questionando porquê ainda não há, por exemplo, uma vacina contra esse vírus.

Comandado por Érica Vieira, o Opinião Minas deste agosto de 2021 convidou o médico infectologista, Professor Emérito da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais e presidente da Sociedade Brasileira de Bioética (SBB), Dirceu Greco, para discorrer sobre o tema.

Para o professor, felizmente a situação dos pacientes com HIV, hoje, se confrontada com o surgimento da Aids, há 40 anos, é incomparável: "Quando o paciente chega a mim com infecção recente, posso afirmar, como infectologista, que como ele está no Brasil, tem o SUS, tem medicamento disponível gratuitamente, e se o diagnóstico foi feito e ele se cuidar, se tratar da maneira correta, aderindo ao tratamento, irá sobreviver à infecção com qualidade de vida muito boa". E complementou: "A infecção por HIV não tem cura, mas é controlável, e envolve uma situação importantíssima que é o diagnóstico, pois quando confirmado, o paciente recebe os medicamentos independente do quadro atual da infecção".

 

Greco alertou para a importância da realizar o exame sorológico, pois a infecção pode estar assintomática por muito tempo (até 10 anos): "Não existe grupo de risco, mas situações de risco", afirmou o presidente da SBB, lembrando a ocorrência de outras doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), como sífilis, tão grave quanto a maioria das DSTs.

 


Acompanhe, também, as informações do professor Dirceu sobre o desenvolvimento de vacinas para HIV. Assista o programa completo AQUI.



*Programa de entrevistas Opinião Minas analisa todas as manhãs, de segunda a sexta, fatos do cotidiano nas áreas da saúde, psicologia, educação e cidadania, com visão crítica e aprofundada.