notíciassbb


O pano de fundo biopolítico da Bioética, com a profa. Anna Quintanas, foi tema do X Ciclo de Debates em Bioética. Reveja!


A Sociedade Brasileira de Bioética - Regional Santa Catarina, o Núcleo de Pesquisa e Extensão em Bioética e Saúde Coletiva (NUPEBISC) e o Núcleo de Estudos em Sociologia, Filosofia e História das Ciências da Saúde (NESFHis), ambos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), realizaram na última quarta-feira, 15 de setembro, a décima edição do Ciclo de Debates em Bioética.

O encontro, virtual, abordou como tema central "O pano de fundo biopolítico da Bioética".

 


A profa. Anna Quintanas Feixas, da Universitat de Girona (Espanha) (foto acima) foi a palestrante convidada. Para ela, a bioética ao nascer da preocupação com o cuidado com a vida – “ameaçada não apenas pelas novas tecnologias, mas também pelo aumento da população mundial e dos efeitos da produção industrial sobre a vida humana e a do ecossistema - não pode tratar dos problemas éticos produzidos em torno do ‘bios’ sem ter presente o marco (bio)político em que estes se dão, um marco que é presidido pela ideia da produtividade em todos os níveis." E questiona: "Pode a (bio)ética ignorar este fundo (bio)político?”

Segundo a pesquisadora, a bioética “predominante costuma fazê-lo”, mas “corre o risco de ser acusada de superficialidade, no sentido de ficar na superfície e negar-se a olhar o que há debaixo do tapete”. Para ela, é impossível enfrentar os problemas éticos da biomedicina sem levar em conta o contexto em que se desenvolve a atividade dos centros de atenção primária, os hospitais, os laboratórios, os ensaios clínicos ou as empresas farmacêuticas.

E acrescenta: “O governo da vida hoje se faz a partir de padrões neoliberais. A bioética, caso quiser continuar cuidando da vida, deve enfrentar aquilo que a impede de avançar nesta direção. Cuidar da vida e tentar explorá-la são duas realidades incompatíveis. Todos os seres vivos são produtivos, a começar pela característica reprodutora que os caracteriza, mas uma coisa é reconhecer a produtividade da vida e outra é ter como objetivo principal exprimi-la sem considerações éticas”(*).
 
O encontro foi coordenado pela Profa. Dra. Sandra Caponi (UFSC), vice-presidenta da regional, e os debates contaram com as participações da Profa. Dra. Maria Fernanda Valencia Vasquez (Colômbia) e do Prof. Dr. Fernando Hellmann (UFSC).

 

Resumo do evento 

 

Para rever a palestra, na íntegra, clique AQUI


 Fotos: NUPEBISC