notíciassbb


"A bioética como instrumento mediador de conflitos em saúde": por Fernanda Keid, especialista em Direito Médico e da Saúde


"Conflitos de ordem moral envolvem intensa carga emocional e refogem à seara da racionalidade, já que envolvem valores e questões emocionais divergentes, que podem surgir de maneira difusa e generalizada, acarretando eventos adversos e interações entre médicos e pacientes prejudiciais à própria recuperação do mais vulnerável."

 

 

Em artigo especial para o site Migalhas, a advogada Fernanda Borges Keid*, especialista em Direito Médico e da Saúde, pós-graduanda em Bioética pela Faculdade de Medicina da USP, traz análise e reflexões sobre a atuação da bioética como uma ferramenta ponderada e imprescindivel na condução de conflitos que surgem a partir de valores morais, ao considerar a especificidade da situação envolvida, que leve a decisões justas e aceitáveis por todas as partes envolvidas.

 

Ao abordar os dilemas ético-morais na área da saúde, especificamente aquelas que envolvem a relação médico-paciente, Borges lembra que, no Brasil "persegue-se a concretização do preceito constitucional do acesso à saúde gratuita, universal e integral para toda a população e, nesse sentido, temas como escassez de recursos e judicialização da saúde revestem-se de importância fundamental para a Bioética e aplicação de um de seus princípios basilares - da justiça."

 

O conteúdo do texto da especialista em Direito Médico, de relevância inquestionável principalmente considerando a situação pandêmica do momento, vivida por todos, e que atinge especialmente os profissionais da saúde, além dos pacientes e das populações vulnerabilizadas, apresenta uma conclusão importante: "A Bioética pode ser utilizada como um procedimento intelectual que busca a eleição de alternativas e caminhos possíveis e prudentes. Ou seja, ela é feita durante o surgimento do conflito de valores morais, e não após a instauração de um litígio, e tem por objeto a eleição da melhor decisão médica sobre o que deve ou não ser feito, valorando-se o que está envolvido em cada opção que surge, no intuito de se alcançar uma decisão razoável."

 

Para ler o artigo, na íntegra, clique em A Bioética como instrumento mediador de conflitos em saúde

 

*Membro das Comissões em Direito Médico e da Advocacia na Mediação e Conciliação da Ordem dos Advogados do Brasil - Regional São Paullo (OAB/SP).


Fonte: https://www.migalhas.com.br