notíciassbb


"E agora?" Reveja debate sobre democracia e saúde pós-eleição realizado com entidades da Frente Pela Vida

“Agora, começa outra luta a ser travada, mais complexa, mais difícil, mais dura. Uma luta na qual nós não podemos nos distrair um minuto. Essa luta é para garantirmos que as promessas de campanha possam ser realizadas.” Este foi o posicionamento da fala inicial de Elda Bussinguer, presidente da Sociedade Brasileira de Bioética (SBB), que participou de encontro especial promovido pelo Centro Brasileiro de Estudos da Saúde (Cebes) no final da tarde desta segunda-feira, 31 de outubro de 2022.

 

“E agora?!” foi a "pergunta que não quer calar" escolhida para dar norte a este primeiro debate pós-eleições, que contou com a participação da presidente do Cebes, Lucia Souto, além de Rosana Onocko, presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), e de Túlio Franco, representando a Rede Unida. O encontro foi mediado por José Noronha, diretor do Cebes.

 

Foram unânimes as falas dos presidentes das entidades que compõem a Frente pela Vida sobre a sensação de alívio e alegria com a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva para a presidência do país nestas eleições de 2022. Esta retomada à real democracia brasileira, abre imprescindível espaço para que os movimentos sociais passem da posição de resistência para a de proposição, essencial nos próximos anos, garantiram todos os presentes ao debate virtual.

 

Para Lúcia Souto, tampouco era progressista o Congresso de 1988, e mesmo assim foi possível promulgar uma Constituição Cidadã – e em especial o Sistema Único de Saúde. "Para viabilizar esse enorme avanço, foi preciso um elemento essencial: o povo entrou no Congresso, havia mobilização intensa. E ela será necessária mais uma vez, nos processos de negociação do terceiro mandato do governo Lula e no resgate das instituições."

 

Rosana Onocko resgatou a história da Frente pela Vida, relembrando que as entidades que a formam têm interesses e características institucionais bem diferentes, mas unidas “pela ideia de que a defesa da vida e da saúde do povo brasileiro está acima de todas elas”. Para ela, "A Frente abriu espaço para debater pautas que até há pouco eram ignoradas, como o aumento de recursos para o SUS".

 

Túlio Franco, coordenador da Rede Unida, destacou a relevância e o impacto extremamente positivo na realização da Conferência Livre, Popular e Democrática de Saúde em agosto: "O documento com as proposições elaboradas durante o evento está prestes a ser finalizado e será encaminhado à 17ª Conferência Nacional de Saúde". Este evento, que acontecerá em julho de 2023, será outro espaço fundamental para a formulação de projetos que concretizem a recuperação e os investimentos necessários para o SUS.

 

“Apaixonar as pessoas com políticas sociais progressistas”, foi a mensagem final de Franco, enfatizando que só assim será possível a retomada do "cuidado, acolhimento e proteção" de brasileiras e brasileiros.

 

Luis Inácio Lula da Silva: “É preciso reconstruir a alma desse país, recuperar a generosidade,
a solidariedade, o respeito às diferenças e o amor ao próximo”.


 

 Para rever o debate, na íntegra, clique AQUI