notíciassbb


Bioética Laica é capítulo especial de livro lançado pela SBPC

 



Discutir as zonas de atrito entre diferentes convicções nas práticas de saúde, sob uma perspectiva que seja mais do que tolerante com as diferenças, mas respeitosa com essas diferenças sejam elas quais forem, focando problemas morais, especialmente aqueles relacionados com a saúde, individual, coletiva ou ambiental, foi a principal proposta do capítulo "Bioética Laica: Zonas de Atrito com as Religiões na Prática em Saúde".

Escrito por Sergio Rego (membro da Sociedade Brasileira de Bioética), Marisa Palácios e Pablo Dias Fortes, o texto desperta e estimula reflexões importantes no contexto da obra "Embates em torno do Estado Laico", recém-lançada pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

Sergio, Marisa e Pablo afirmam a legitimidade da perspectiva laica, tanto na teoria quanto na prática em saúde, ao defenderem a liberdade de cada indivíduo ter seu projeto próprio de felicidade, sobre o qual o Estado não deve interferir, a menos que afete as liberdades e o bem-estar de outros. Todavia, surgem áreas de atrito entre a perspectiva laica e a religiosa da Bioética, principalmente: o início e o fim da vida humana, e a objeção de consciência da parte do pessoal de saúde, que incide, notadamente, sobre a interrupção voluntária da gravidez. Contra os fundamentalismos religiosos, eles defendem o fortalecimento dos mecanismos democráticos de respeito à pluralidade e à diversidade.


Em tempo


Resultado do Grupo de Trabalho (GT) Estado Laico da SBPC, o livro reúne, ainda, textos de outros renomados cientistas, que apresentam o conceito de Estado laico, e debatem o impacto da não laicidade também sobre a ciência, a política, o ensino, as pesquisas biomédicas, a sexualidade e os direitos das mulheres. A obra apresenta dois anexos: Declaração Universal sobre a Laicidade no Século XXI e textos indicados sobre a laicidade do Estado no Brasil, disponíveis na internet.

A publicação foi organizada por Claudia Masini d’Avila-Levy e Luiz Antônio Cunha (coordenador do GT).

Faça o download da obra, na íntegra, clicando AQUI